post1

Evite sete erros que dificultam a recuperação pós-plástica

As cirurgias plásticas são as grandes aliadas das mulheres na hora de levantar o visual, porém, como todo procedimento invasivo, exigem cuidados especiais, principalmente depois da ação do bisturi. Assim, se as orientações médicas não forem seguidas, corre-se o risco de o resultado tão almejado ser arruinado.
“O pós-operatório se inicia a partir do momento em que a paciente recebe a alta e pode durar cerca de seis meses até o resultado definitivo”, explica Fábio Malzone, cirurgião plástico, especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).

Evite esforço físico
Andar bastante ou pegar peso eleva a frequência cardíaca e pode provocar o aumento dos edemas decorrentes da cirurgia. Procedimentos como a mamoplastia, o implante de próteses de silicone e a abdominoplastia podem causar sangramentos no pós-operatório e até mesmo abrir as cicatrizes, gerando, inclusive, problemas de ordem clínica como desmaios e vômitos. Por isso, o ideal é evitar esforço físico até o décimo dia e voltar às atividades gradativamente a partir do décimo quarto.

Não permaneça por muito tempo na mesma posição
Comum à maioria das cirurgias, a formação de edemas pode ser ainda mais intensa se a paciente permanecer por muito tempo em posições estáticas, além de acentuar o risco de trombose em casos de cirurgias de maior porte como a lipoaspiração.

Fuja do sol
A exposição ao sol de áreas com hematomas, causados principalmente por cirurgias faciais, pode causar manchas crônicas na pele ou escurecimento das cicatrizes, pois há um maior risco de pigmentação devido às moléculas de ferro concentradas na região das marcas. Além disso, os edemas tendem a aumentar, assim como a incidência de casos de queimadura solar que pioram o processo de cicatrização. Para evitar os problemas, a dica é fugir do sol até três meses depois do ato cirúrgico.

Fique longe das bebidas alcoólicas e do cigarro
Com o aumento do fluxo sanguíneo nos locais que receberam a cirurgia, dos edemas e das dores, a bebida pode elevar a excreção renal dos antibióticos, diminuindo o seu efeito. Já o cigarro, causa a má cicatrização, podendo levar desde a reabertura da cicatriz até a morte dos tecidos operados devido à má irrigação arterial.

Mantenha uma alimentação adequada
Alimentos de difícil digestão agravam a função gástrica, que já está comprometida com analgésicos e anti-inflamatórios, podendo causar até mesmo gastrite e gases intestinais. “A ingestão adequada de proteínas e água é importante, pois a cirurgia plástica nunca foi garantia de um peso ideal”, adverte o especialista.

Faça a higiene
As cicatrizes cirúrgicas devem receber atenção especial durante o banho para que o risco de contaminação seja praticamente zero e o processo de cicatrização não seja comprometido.

Informe ao médico sobre suas medicações
Medicações como antidepressivos e calmantes podem causar problemas quando associados com as anestesias, acentuando os sangramentos e causando até mesmo problemas renais, hepáticos ou alérgicos. Por isso, é necessário informar ao médico sobre os remédios consumidos periodicamente antes de se submeter ao procedimento.

Agência Hélice | Terra

Famosos admitem uso de anabolizantes. Entenda os riscos

Quando participou do BBB11, Maria Melilo declarou que fazia uso de anabolizantes para ter um corpo definido. “É muita testosterona, não menstruo mais faz tempo”, disse a atriz, que na ocasião também admitiu ter o clitóris maior graças ao hormônio masculino. Recentemente, Maria foi submetida a uma cirurgia no hospital Sírio Libanês, em São Paulo, para retirar parte do fígado devido a um câncer detectado no órgão, um dos mais afetados pelo uso de anabolizantes.

famosos

A ex-Fazenda e vice Miss Bumbum 2012 Andressa Urach também já afirmou em diversos programas de televisão que fez uso de esteroides. Segundo ela, isso ocorreu durante três anos. “Fiz sem acompanhamento médico, irresponsável, mesmo. Consegui o volume que eu queria, pois era muito magra, mas tive muitos efeitos colaterais, como acne no rosto e nas costas, alteração na voz e aumento do clitóris, até fiz cirurgia íntima”, afirmou ao UOL Dieta e Boa Forma.

Além dos riscos de tumores hepáticos e problemas estéticos, como acne, os anabolizantes podem provocar problemas cardiovasculares, impotência, atrofia testicular, falta de libido, elevação do colesterol, aumento da pressão arterial e perda óssea.

“O uso de anabolizantes de forma indiscriminada, com objetivos estéticos, pode gerar efeitos colaterais fatais, pois esses hormônios sobrecarregam o fígado e desequilibram o organismo de forma grave”, explica o hepatologista Carlos Baía, responsável pelos transplantes de fígado no Hospital de Transplantes do Estado de São Paulo, unidade da Secretaria de Estado da Saúde.

Especialistas advertem que o ganho de massa muscular adequado precisa estar associado a uma alimentação balanceada, recomendada por nutricionistas. A dieta deve ser complementada com exercícios de hipertrofia (musculação), devidamente acompanhados por educadores físicos.

Os anabolizantes são medicamentos indicados para tratamentos específicos, supervisionados e prescritos somente por médicos, por um período de tempo predeterminado. São utilizados para tratar desgastes da musculatura e ossos, além de serem prescritos aos portadores de hipogonadismo (homens que sofreram trauma testicular ou que tiveram que retirar os testículos).

Dieta e Boa Forma | UOL

Este post foi publicado em Geral
preenchimento labial1

Cuidados antes do preenchimento labial evitam “bico de pato”

Independentemente da idade, a insatisfação com a aparência está sempre presente no dia a dia feminino. Dentre as principais reclamações, a perda ou falta de volume nos lábios leva muitas mulheres a investirem no preenchimento para melhorar o contorno da boca e emoldurar o sorriso. Apesar de eficaz, o procedimento, no entanto, exige alguns cuidados especiais para que não comprometa a harmonia do rosto.

Antes de tudo, é importante avaliar de que forma será realizada a técnica. O mais indicado é optar por aquelas feitas à base de ácido hialurônico que garantem um resultado mais delicado e bonito. “O ideal é usar um tipo de preenchedor que esteja de acordo com a região tratada, já que as substâncias se diferenciam pela sua densidade. Por isso, nos lábios, o interessante é utilizar um ácido mais fluído para que o efeito seja mais natural”, recomenda Hélio Caprio, cirurgião plástico e membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).

Os preenchedores, de forma geral, além de restaurarem o volume perdido dos lábios, realçam o seu filtro (depressão no lábio superior), as cristas filtrais e o arco de cupido (que define a contorno do lábio superior), elementos que são apagados com o avanço da idade. Contudo, antes de dar início ao procedimento, é necessário tomar outros cuidados fundamentais, como higienizar bem o local e aplicar creme anestésico, sobre a área, deixando-o agir por, aproximadamente, 40 minutos para surtir efeito. “Em locais como os lábios, onde há muita dor, o bloqueio anestésico não pode deixar de ser feito”, ressalta o especialista.

Logo após a sessão do tratamento, pode ocorrer um leve inchaço na área, que desaparece em até 24 horas e pode ser minimizado com a aplicação de gelo. Há também o risco de hematomas, o que exige a aplicação de um creme específico durante 15 dias. No entanto, depois desse período, já é possível observar uma leve melhora, assim como os primeiros resultados que se concretizam somente após 30 dias e duram, em média, um ano.

preenchimento labial2

Para não errar
A escolha de um bom especialista é essencial para garantir o efeito desejado, pois ele será o responsável por avaliar se é realmente necessário optar pelo procedimento e qual a melhor forma de realizá-lo. “O maior problema dessa prática está associado à má técnica na hora da aplicação, exagero na quantidade de ácido utilizada ou escolha errada do preenchedor”, alerta Hélio.

É preciso, ainda, respeitar as características de cada tipo de rosto e boca, que envolvem profundidade, contorno e movimentos dos lábios, além do seu formato ao sorrir, capazes de fazer toda a diferença na hora do preenchimento. Isso porque lábios muito finos, por exemplo, não podem se tornar carnudos, pois ao atingir camadas profundas, o ácido hialurônico dá o famoso efeito de “bico de pato”.

Como consertar
Bastante comuns nas clínicas estéticas, os erros cometidos durante a aplicação do preenchimento podem até ser revertidos. Para isso, é preciso averiguar se o preenchedor utilizado é ou não definitivo. Caso ele seja, a única opção é a cirurgia. Se não for, a saída é apelar por tratamentos que dissolvam os nódulos formados. No entanto, mesmo em aplicações com ácido hialurônico, o mais indicado é aguardar a absorção natural do produto, pois os procedimentos restauradores podem causar alergia.

Agência Hélice | Terra